Qual é a diferença entre pós-graduação lato sensu e stricto sensu?

Com a  competitividade cada vez maior no mercado de trabalho, a busca por cursos de especialização está crescendo mais a cada dia. Nesse cenário, um curso de pós-graduação é uma ótima opção para quem deseja melhorar o currículo, conseguir melhores oportunidades de emprego, melhores salários e até mesmo traçar uma carreira acadêmica. Cabe lembrar que só pode ingressar em uma pós-graduação quem já passou por um curso de graduação.

Ao começar a procurar por pós-graduações, o interessado irá perceber que existem duas formas distintas, a lato sensu e a stricto sensu, que são bem diferentes entre si. Mas quais exatamente são essas diferenças?

Pós-graduação lato sensu

Lato Sensu vem do latim e significa “em sentido amplo”. São cursos de especialização mais práticos e voltados ao dia a dia no trabalho. Costumam ser muito mais curtos do que uma pós-graduação stricto sensu, com um mínimo de 360 horas de duração de acordo com as regras do Ministério da Educação.

As pós-graduações lato sensu podem ser tanto presenciais quanto à distância, e não conferem um diploma ao final, somente um certificado de conclusão do curso. Entre os cursos dessa categoria estão as especializações e os MBAs (Master of Business Administration). É comum que profissionais que já estejam no mercado façam uma pós-graduação lato sensu em busca de melhorias na carreira, já que são cursos rápidos.

Pós-graduação stricto sensu

As pós-graduações stricto sensu são a vertente acadêmica das pós-graduações. Do latim, stricto sensu significa “em sentido limitado”, são os cursos de mestrado e doutorado. Geralmente, os alunos que optam por cursar uma pós-graduação nessa categoria gostam de pesquisa e pretendem seguir na área acadêmica, seja dando aulas ou enquanto cientista. Porém, um mestrado ou doutorado pode representar uma virada na carreira de muitas pessoas, ainda mais com as recentes pós-graduações stricto sensu profissionais, voltadas ao mercado de trabalho.

Um mestrado tem uma duração média de dois anos e um doutorado entre quatro e cinco anos. Ambos exigem participação em aulas e a elaboração de um trabalho a ser apresentado ao final do curso. No caso do doutorado, a tese precisa ser inédita e contribuir para o avanço científico da área pesquisada.

Além disso, é preciso passar por um competitivo processo de seleção para ingressar em uma pós-graduação stricto sensu, com uma parte do projeto de pesquisa já iniciada e o apoio de um orientador da universidade. Também é comum que o aluno precise fazer uma prova de conhecimentos gerais e saiba falar pelo menos uma língua estrangeira.

Já as pós-graduações stricto sensu profissionais têm vantagem em relação às lato sensu por serem mais profundas e unirem o mercado de trabalho a pesquisas acadêmicas. Porém, os mestrados e doutorados profissionais duram em torno de três anos e exigem que o aluno apresenta um trabalho ao final do curso.

Ao contrário do lato sensu, os alunos obtêm um diploma de mestre ou doutor ao final do curso.